quarta-feira, 8 de julho de 2015

Há quase quatro séculos, nascia LA FONTAINE

"Se quiser falar ao coração dos homens, há que se contar uma história. Dessas onde não faltem animais, ou deuses e muita fantasia. Porque é assim – suave e docemente que se despertam consciências." 
Jean de la Fontaine


Jean de La Fontaine, escritor e fabulista francês, nasceu a 8 de julho de 1621, em Château-Thierry, e faleceu a 13 de abril de 1695, em Paris. 
É considerado o pai da fábula moderna. Sob a natureza da fábula declarou um dia: "É uma pintura em que podemos encontrar o nosso próprio retrato".
Filho de burgueses, começou por estudar Teologia e Direito, acabando, alguns anos mais tarde e com o apoio de alguns nobres que patrocinavam as artes, por se dedicar à literatura. Escreveu poesias, contos e adaptações de comédias populares, tendo travado amizade com autores como Racine, Molière e Boileau. 

A cigarra e a formiga

Seriam, no entanto, as suas Fábulas Escolhidas (uma colectânea de 124 fábulas, dividida em 6 partes, dedicado ao filho de Luís XIV), inspiradas nas literaturas clássica e oriental, e sobretudo em Ésopo (autor grego), que lhe trariam a celebridade.

 A raposa e a cegonha

Das duzentas e quarenta e três fábulas que escreveu num período de 26 anos, a maior parte põe em cena o mundo dos animais.

A lebre e a tartaruga

Estes guardam certas características tradicionalmente atribuídas à respetiva espécie, mas apresentam traços perfeitamente humanos. 

A raposa e a cabra

Os escritos de La Fontaine tornaram-se, assim, verdadeiros retratos da sociedade, com todos os seus vícios, diferenças sociais e problemas retratados. 

O moleiro, o seu filho e o burro

Autor, entre outras obras, de Adonis (1658), Elégie aux Nymphes de Vaux (1661), Ode au Roi (1663), Les Amours de Psyché et Cupidon (1669), Les Nouveaux Contes (1674), Le Milan, le Roi et le Chasseur (1688) e Les Deux Chèvres (1691),

As duas cabras

La Fontaine foi, em 1684, nomeado membro da Academia Francesa.
Está sepultado em Père-Lachaise, em Paris, ao lado do dramaturgo Molière.

Sem comentários: