segunda-feira, 20 de julho de 2015

20 de julho: 60 anos sobre a morte de Calouste Gulbenkian

Calouste Sarkis Gulbenkian nasceu na Turquia (Üsküdar, da província de Istambul) a 23 de março de 1869 e faleceu em Lisboa a 20 de julho de 1955.




Filho de uma família de abastados comerciantes, Gulbenkian foi um dos pioneiros do desenvolvimento petrolífero no Médio Oriente. Estudou em Londres e aos 18 anos licenciou-se em engenharia. Elaborou vários trabalhos sobre as potencialidades da exploração do petróleo no Médio Oriente, sendo o primeiro a impulsionar esta indústria no Golfo Pérsico, e serviu de ligação entre as indústrias petrolíferas americanas e russas.


Depois da Primeira Grande Guerra mundial, fixa residência em França. Em 1928, participa no acordo de divisão da velha Turkish Petroleum Company, o que lhe valeria a alcunha de "o senhor cinco por cento". Esse acordo consistia na atribuição, a cada uma das companhias - BP, Shell Group, Companhia Francesa de Petróleos e Standard Oil/Mobil Oil - de 23,75% do respetivo capital, cabendo a Calouste Gulbenkian os 5%.
Aliando o dinheiro ao amor pela arte, Gulbenkian foi reunindo uma vasta coleção de obras, valendo-se do seu estatuto diplomático para movimentar livremente as peças que adquirira. Do seu largo e rico espólio, destacamos obras de Carpaccio, Rubens, Van Dyck, Rembrandt, Gainsborough, Romney, Lawrence, Fragonard, Corot, Renoir, Boucher, Manet, Degas, Monet e muitos outros.

Rembrandt - "Retrato do velho" (1645)

Manet - "As bolas de sabão" (1867)

Monet - "Retrato de Mme Claude Monet" (1874)

Degas - "Retrato de Henry Michel-Lévy" (1878)

Além da pintura, reuniu um importante espólio de escultura do antigo Egiptocerâmicas orientais, manuscritos, encadernações e livros antigos, artigos de vidro da Síriamobiliário francês, tapeçarias, têxteis, peças de joalharia de René Laliquemoedas gregas, medalhas italianas do Renascimento, etc. 

René Lalique - centro de mesa (França 1905)

Quando de sua morte, em 1955, a sua coleção de obras de arte estava avaliada em mais de 15 milhões de dólares.
No início da Segunda Guerra Mundial está em Paris. Quando Paris é invadida pelas tropas do III Reich, muda-se para Vichy acompanhando assim o general Pétain. A Inglaterra passa a ver esta atitude de Gulbenkian como a de um tátil inimigo. Gulbenkian não gostou de ser visto desta forma e intenta judicialmente contra o governo inglês, ganhando a causa.
Em abril de 1942, entra pela primeira vez em Portugal para vir passar duas semanas e conhecer o país. Vem por intermédio do embaixador português Caeiro da Mata. Em vez de duas semanas acaba por ficar 13 anos, fixando residência no Hotel Aviz, o melhor da capital. Aqui ficou 10 anos sem sair de Portugal, ausentando-se apenas para ir a Paris.
Era amante de gatos. Não tinha carro nem motorista. Andava sempre de taxi "com o senhor Esteves", um motorista de Sintra.
Com o decorrer do tempo, Gulbenkian conhece Azeredo Perdigão, um notável jurista, que redige o seu testamento. Lega parte do seu testamento a uma Fundação que teria o seu nome e acolhesse a sua coleção de arte.


Quando Gulbenkian morre, é Azeredo Perdigão que assume a presidência do conselho de administração da Fundação Calouste Gulbenkian, sita em Lisboa. Esta Fundação tem fins caritativos, artísticos, educativos e científicos.

Sem comentários: