terça-feira, 14 de julho de 2015

14 de julho de 1789, a tomada da Bastilha é o início da Revolução Francesa.


A tomada da Bastilha foi, antes de mais, o evento decisivo para o início da Revolução Francesa e consequente fim do Regime Absolutista. Por outro lado, marca a passagem da Idade Moderna para a Idade Contemporânea.
Quando os Estados Gerais, convocados na Primavera de 1789, são transformados em Assembleia Nacional Constituinte, e reina uma grande agitação em Paris, a causa directa dessa primeira insurreição do povo de Paris será o reenvio de Necker, ministro popular que defendia abertamente as reformas, para Luís XVI. A gravidade da crise económica tinha colocado todo o país numa situação caótica. Os privilégios dados à nobreza e ao alto clero dilapidaram as finanças do país.
Na manhã de 14 de julho, o povo de Paris (soldados desmobilizados, guardas e povo) pega em armas nos Invalides (antigo hospital onde havia um razoável arsenal) e dirige-se à velha fortaleza real da Bastilha (construída em 1370, durante a Guerra dos Cem Anos por Carlos V da França), enfrenta um tiroteio sangrento, libertando os prisioneiros que aí se encontravam. 
O tiroteio demorou aproximadamente quatro horas. Launay, o governador da Bastilha, foi decapitado. O número de mortos foi incerto. A massa insurgente incendeia e destrói a Bastilha, localizada no bairro de Santo António, um dos mais populares de Paris.

"A tomada da Bastilha" por Jean-Pierre Houël (1735-1813)
(Ao centro pode ver-se a prisão de Launay)

Segue-se a capitulação do rei: ele volta a chamar Necker e reconhece as novas autoridades parisienses: o Presidente da Câmara de Bailly, e o Comandante da Guarda Nacional, La Fayette.
Em 1792 a monarquia será abolida e Luís XVI e a sua mulher Maria Antonieta serão levados à guilhotina por traição em 1793.


"Prisão do governador da Bastilha" por Jean-Baptiste Lallemand

A 14 de julho de 1790, procede-se à demolição da fortaleza da Bastilha e celebra-se a Festa da Federação, que consagra o sucesso efémero da monarquia constitucional.

Sem comentários: