quinta-feira, 16 de abril de 2015

Dois poemas de Sophia de Mello Breyner Andresen

25 de Abril
Esta é a madrugada que eu esperava
0 dia inicial inteiro e limpo
Onde emergimos da noite e do silêncio
E livres habitamos a substância do tempo
O Nome das Coisas (1974)



Revolução
Como casa limpa
Como chão varrido
Como porta aberta
como puro inícío
Como tempo novo
Sem mancha nem vício
Como a voz do mar
Interior de um povo
Como página em branco
Onde o poema emerge
Como arquitectura
Do homem que ergue
Sua habitação
O Nome das Coisas (27 de abril de 1974)

Sem comentários: