sábado, 7 de fevereiro de 2015

8 de fevereiro - Nascimento do escritor Júlio Verne



Aprendemos a crescer e a viajar no Nautilus, a sonhar com o Capitão Nemo, a participar nos feitos de Robur, o Conquistador, a embarcar no Albatroz rumo ao futuro da Humanidade. As máquinas de Júlio Verne fascinaram várias gerações e estão na origem de numerosos engenheiros. O fascínio pela ciência, pelas mais recônditas paragens da Terra e da Lua fizeram deste vulto da literatura mundial, um verdadeiro inventor, um intrépido argonauta e um profeta do século XIX.

                                                    O Nautilus
O Albatroz

Jules Gabriel Verne (Júlio Verne) nasceu em Nantes (Bretanha - França) a 8 de fevereiro de 1828.
Desde menino que em Nantes sonhava subir aos mastros dos navios ancorados no rio Loire e viajar agarrado a eles. Aos 12 anos trocou de lugar com um adolescente para ir como grumete a bordo do Coralie, um cargueiro à vela que ia para as Bermudas e que estava atracado no porto. Foi descoberto e mandado para casa.
Em 1848 ruma a Paris e aí conhece personalidades importantes da cultura francesa, como Victor Hugo e Alexandre Dumas Filho.
Aos 23 anos escreve o seu primeiro conto de ficção científica "Uma Viagem em Balão". Conheceu o fotógrafo Félix Nadar, um apaixonado pelo balonismo que lhe apresenta Pierre-Jules Hetzel, um editor e autor que demonstra interesse em publicar a obra "Cinco Semanas em Balão".
Procedendo a uma investigação metódica e rigorosa, Verne começou a escrever romances, geralmente de ficção científica, bastante convincentes e realistas. Em "Viagem ao Centro da Terra" descrevia uma expedição científica ao núcleo terrestre, antecipando um sonho de muitos investigadores. O mesmo aconteceu com "Da Terra à Lua".
O carácter visionário da obra de Verne pode também ser visto em obras como "A Ilha Misteriosa" e "Vinte Mil Léguas Submarinas", romance em que o carismático Capitão Nemo profetizava a pirataria submarina alemã da Segunda Guerra Mundial.
Este gosto pelo mar leva-o a adquirir uma pequena embarcação de pesca a que dá o nome do seu filho Michel, acrescentando "Saint-Michel".
Vai acabar o resto dos seus dias em Amiens, onde morre no dia 24 de março de 1905, agarrado ao seu livro de sonho "Vinte mil léguas submarinas".
São ainda escritas por si, as obras: "A Volta ao Mundo em 80 Dias", "Miguel Strogoff", "Os Filhos do Capitão Grant", ... .

Sem comentários: